O que é missão?

Temos a tendência a pensar que missão é algo grandioso, algo relacionado à espiritualidade, à cura, ajudar o planeta e ficar conhecido por todo mundo. Pensamos que missão é só o que aconteceu com Chico Xavier, Madre Tereza, Gandhi, ou o descobridor da penicilina, o criador da lâmpada, etc.

Mas acho que esse pensamento está equivocado e por isso acabamos por achar que nós não temos missão, ou se temos, é algo muito difícil e árduo, então é melhor nem descobrir o que é para não confundir ainda mais as coisas! Creio, na verdade, que missão é quando descobrimos o que queremos fazer, depois de conhecer nossas habilidades e talentos e a partir disso, sim, nosso fazer será benéfico para alguém, ou para alguns, ou muitos, ou quem sabe para o mundo. E isso pode ser qualquer coisa, desde que passamos a amar esse fazer, esse trabalho ou estudo.

Por exemplo:
– pode ser que sua missão seja fazer pão, e esse pão vai ser o melhor do seu bairro, você ficará conhecido(a) por fazer um pão tão gostoso, que pessoas virão de outros lugares só para comprar seu pão…
– pode ser que sua missão seja ser um(a) professor(a) dedicado(a), diferente, e vai formar muitos alunos dedicados, que virão a ser grandes profissionais; ou quem sabe será professor(a) de um(a) aluno(a) que será o Nobel da Paz em 2030 e quando ele ou ela for fazer o discurso ao receber o prêmio, vai dizer: “Eu sou o que sou hoje porque um dia um(a) professor(a) me disse que a paz era a única coisa pela qual valia a pena lutar, e eu guardei essas palavras como um desafio e me dediquei a buscar a paz todos os dias”! A missão desse(a) aluno(a) era se dedicar a paz, a do(a) professor(a) era dizer aquelas palavras…
– pode ser que sua missão seja virar pesquisador(a) na área da medicina e descobrir uma vacina contra uma doença grave; ou apenas virar um incentivo para que alguém descubra a cura a partir de suas pesquisas…
– pode ser que sua missão seja ser mãe de um rapaz que será viciado em drogas, mas que conseguirá superar o vício e virá a ser um palestrante, ajudando outros a sair do vício…
– pode ser que sua missão seja ser um jogador de futebol famoso, que servirá de inspiração para um menino que está diante de um traficante pedindo para ele ser seu “ajudante”, mas ele prefere ir à escolhinha de futebol, porque quer ser o próximo “Neymar”…

A missão do Chico Xavier era ser o que sabemos que ele é… a missão da mãe do Chico Xavier era ser a mulher que deu à luz a um ser que iluminaria a vida de muitas pessoas. Ninguém fala dela, não sabemos seu nome (ou se sabemos não lembramos), mas a missão dela foi essa e tudo bem não sabermos seu nome, ela cumpriu sua missão e está em paz.

A missão do cara que descobriu a penicilina era essa, mas teve alguém que ajudou ele em algum momento, facilitando seu trabalho ou sua vida para que ele pudesse se dedicar às suas pesquisas, e essas pessoas tinham essa missão – ajudar Alexandre Fleming de alguma forma: uma secretária, um jardineiro, uma faxineira, um ajudante de laboratório…

Então acredito que a melhor definição para missão é: ser a pessoa certa, na hora certa, fazendo a coisa certa. Independentemente do que seja.
Por isso vamos parar de achar que missão é só as coisas espetaculares. E vamos nos dedicar a refletir sobre nosso papel aqui na Terra. Estamos num momento muito especial desse planeta: sua transição, sua evolução para uma elevação energética e estar alinhado com nosso centro, nosso Eu Superior e nossa missão é fundamental para que possamos trilhar esse caminho através do amor e não da dor. Nem tudo é e será um “mar de rosas”, mas também não precisa ser um “caminho cheio de espinhos”.

Autoconhecimento é a chave para descobrir-se, autocurar-se e despertar a consciência e não existe outro caminho. Autoconhecimento é a chave que abre as portas para seu Eu Superior, para sua Família de Luz e para a descoberta de sua missão.

E a maior missão de todas é: estarmos aqui, nesse momento, e ascender com o Planeta Terra, a Grande Estrela da Liberdade! Sejamos luz, onde quer que estejamos, o que quer que façamos, sejamos luz e tudo irá caminhar como deve ser.

Amor e bênçãos!
De meu EU SOU para vosso EU SOU!
De minha Família de Luz, para vós!

Anúncios

Sobre a resistência à cura

Quando temos um problema de saúde ou doença, seja do corpo físico, do mental ou do emocional, desejamos ser curados. Mas quantos de nós realmente busca a cura verdadeira? Quantos de nós estão dispostos a se curar de fato?
Parecem perguntas descabidas, sem sentido… imagina que alguém não vai querer ficar curado! Mas não tem nada de descabido aqui, e escrevo esse texto baseado na minha experiência como Terapeuta Holística Espiritualista. E vejam que também me incluo nessa reflexão (quantos de nós…), porque continuo com minhas vivências espirituais de cura e despertar e sei do que estou falando.

Então vamos à análise que me levou a essa constatação. Todos nós temos um eu-sombra, o autossabotador que faz parte de nosso eu inferior – o ego. Esse eu-sombra é desconhecido da grande maioria das pessoas; somente quando começamos a nos espiritualizar é que passamos a conhecê-lo de fato, pois toda abertura espiritual começa com o autoconhecimento e o despertar de tudo o que temos no interior de nossa mente. É aí que a sombra vem à tona, pois temos que conhecer essa sombra, para nos libertar de seu domínio.

Para curar nossos corpos – físico, mental, emocional – é preciso encarar o eu-sombra e superá-lo. Isso leva tempo, requer muito esforço e dedicação, muita força de vontade. O ego, quando percebe que estamos querendo despertar dessa forma, se rebela e começa a usar todas as suas armadilhas para impedir que aconteça esse despertar. Pois, a partir do momento que descobrirmos o mal que fazemos a nós mesmos, não permitiremos mais ser controlados e dominados pelo ego. E então começam a acontecer coisas que sempre nos “impedem” de continuar nossa cura e passamos a usar essas coisas como “desculpas” para não continuar um tratamento, por exemplo: passar mal, ter ataques de nervosismo e ansiedade; ficar sem dinheiro; o carro vai para a oficina; viagens surgem, doenças aparecem, enfim, uma série de problemas acontecem, que nos impedem de ir à terapia ou à sessão de cura. E ainda podem surgir pessoas que, com suas opiniões julgadoras, nos põem dúvida sobre o que estamos fazendo: “isso não funciona”; “isso é bobagem”; “isso é perigoso”; “isso está deixando você pior”; “isso não é de Deus”, e etc.

Quando chega nesse ponto, algumas pessoas interrompem a terapia e só voltam quando estão mal e não sabem mais o que fazer. Outras abandonam totalmente e não voltam mais. Mas tem os que resistem, pois percebem (ou são antecipadamente alertados por seus terapeutas) que isso é armadilha do autossabotador. Sim, o eu-sombra tem o poder de “criar/atrair” situações que nos impedem de obter a cura. Como pode isso?

Tudo nesse mundo é energia (até parece redundante falar isso o tempo todo, mas é). Cada energia vibra uma certa frequência, ora baixa, ora neutra, ora alta. O eu-sombra vibra numa frequência baixa e afeta nosso campo energético, desequilibrando nossos chakras, desarmonizando nossa aura e desestabilizando nossa mente. Dessa forma nos tornamos um ímã para coisas ruins – os chamados “azar, zica, macaca, bruxa solta”. A maioria das pessoas faz isso a si mesmo de forma inconsciente, mas tem umas que fazem isso conscientemente, porém disfarçam!

Por isso, toda a vez que você buscar ajuda/tratamento para um problema que está te afetando e de repente você se vê “atraindo” impedimentos, seja persistente e não pare, não interrompa essa vontade de se curar. Tenha consciência de que seu autossabotador foi ativado e está tentando te controlar, então desative-o. Só você pode fazer isso. Como desativá-lo? Tendo pensamentos fortes, positivos, de liderança, exatamente como se estivesse se impondo como chefe de alguém que não quer fazer o serviço. Diga: “Chega autossabotador! Você não me controla mais! Não vou te dar ouvidos! Não importa o que você faça, vou continuar minha cura e meu despertar!”. Mas tem que ter uma força de vontade sobre-humana. Você também pode pedir ajuda aos Seres de Luz que você costuma crer – Anjo, Deus, Orixá, Santo, Divindade… – para que te ajudem a continuar seu tratamento e libertar-se das influências do autossabotador.

E com relação às outras pessoas (aquelas que fizeram o papel de eu-sombra exterior), deixe-as com seus julgamentos e suas críticas. Não “bata de frente”, apenas não se deixe levar por suas opiniões. O corpo é seu. A cura é sua. O caminho é seu. E cada um está em um nível nessa jornada, portanto não há fundamento em comparar experiências. Se você tiver dúvidas com relação ao tratamento que estiver fazendo, converse com a(o) terapeuta, e sinta em seu CORAÇÃO o que você deve fazer.

De fato, nem todas as terapias funcionam em determinado momento, é preciso sempre ir testando; e nem todo terapeuta/curador é realmente profissional, por isso é sempre bom sentir, intuir sobre essa pessoa. Você pode conversar com outras pessoas que fizeram tratamento com tal profissional, ou buscar seguir alguém que foi indicado, mas sempre reflita sobre os comentários a respeito desse profissional, para saber se é uma opinião baseada no autossabotador da pessoa que está falando, ou se de fato a recomendação ou não, é verdadeira.

E lembre-se sempre: as pessoas que servem como terapeutas, curadores, médicos, psicólogos, serão o meio pelo qual você chegará até a cura, mas não são os responsáveis pela sua cura; a cura é feita por cada um, conforme a dedicação e empenho a tudo que é indicado. A cura para todos os males está dentro de nós; existem ferramentas para despertar essa autocura, mas nós temos que nos entregar a ela.

De meu Eu Sou para o vosso Eu Sou. Com Amor e bênçãos!
Taize Santos – Terapeuta Holística Espiritualista

O que eu vejo…

Muita gente debateu sobre a foto do menino no Réveillon do Rio, a maioria obviamente vendo o quadro com olhar negativo: “vejo tristeza”, “vejo distância social”, “a cara do Brasil” , “intolerância racial”, e por aí vai….

Eu venho refletindo sobre essa imagem desde então – que aliás considero uma belíssima foto – e desde que a vi não percebi negatividade nela, em nenhum momento! E olha que de energia eu entendo, pois trabalho com isso. Sei quando algo ou alguém emanam uma energia de baixa frequência.

Então o que eu vejo?

1jan2018---menino-entra-no-mar-enquanto-pessoas-de-abracam-durante-as-celebracoes-de-ano-novo-na-praia-de-copacabana-na-zona-sul-do-rio-de-janeiro-1514910748877_615x300

Fotógrafo: Lucas Landau

Eu vejo Foco. Ao contrário da maioria dos demais, que estão pulando ondinhas, cumprimentando-se, abraçando-se, tomando sua espumante, fotografando, filmando, cantando, beijando-se, ele apenas olha para o que realmente interessa naquele momento: o show pirotécnico. Ele está Presente! Ele apenas olha, sem se importar com o resto. Não sei se ele está encantado, ou se apenas pensa ser mais um show de fogos como acontece todos os anos… fato é que ele apenas tem sua atenção voltada para o que importa naquele momento.

Se ele é pobre, de favela, negro, não está com um smartphone, nem com roupas brancas, naquele momento nada disso importa… ele apenas olha, dedica sua atenção a olhar, alheio a tudo e a todos, apenas observa. E dessa forma ele nos dá uma lição, nos envia uma mensagem muito importante: quando você está vivenciando algo, vivencie plenamente, tenha seu foco, sua atenção naquela vivência; esteja realmente presente! O que virá depois, o que anda ocorrendo a sua volta, os problemas, os obstáculos, o passado, o futuro, os outros… esqueça tudo isso no instante da experiência e viva-a plenamente.

Dizem que vemos o mundo como um espelho do que somos, então não vejo tristeza ou negatividade nessa foto. Vejo Presença! Vejo Atenção! Vejo alguém que Olha de verdade. É isso o que desejo para mim à partir de agora. É isso que desejo a todos!

“Vamos viver tudo o que há para viver… vamos nos permitir”!

FELIZ 2018!

Namastê! Aho! Blessed be!

Somo deusas…

Independentemente do significado da data, hoje é dia de enfatizar nossa beleza, nossa luta, nossa força, nosso Sagrado.

E o que desejo para esse dia é que toda Mulher busque a Cura:
– sua cura
– cura dos que a rodeiam
– cura das outras mulheres
– cura dos homens
– cura da Terra 

Nós somos as curandeiras por essência. Nós vivemos em ciclos, nós damos a vida, nós temos a sensibilidade de Yin, nós nascemos/crescemos/morremos todos os meses, nós entendemos da energia do amor e da sedução. Somos nós que estamos chamando a atenção para as mudanças necessárias e para a cura da Terra. Mas nós precisamos nos conhecer, precisamos nos amar e precisamos ajudar na cura de homens e crianças, para que as mudanças de fato ocorram. 

8fa1abacad23d0740ac2553725d3fe48deusa dana

Vamos hoje nos Empoderar, vamos hoje nos Curar, vamos hoje dar ênfase às conquistas, às mudanças, à magia, ao Sagrado.Tudo aquilo em que colocamos nossa energia, aumenta, então vamos tirar o foco da doença, da violência, das decepções, e vamos focar na cura disso tudo. 

Eu desejo que você mulher se ame, hoje, amanhã e sempre. Desejo que você desperte a Deusa, a Guerreira, a Sábia que existem aí dentro, esperando ávidas para se mostrarem. E que toda a tua energia se espalhe por todos os lados, na tua casa, no teu trabalho, na tua rua, no tem país, no mundo todo. É assim que vamos mudar o que ainda precisa ser mudado.

FELIZ DIA DA MULHER SAGRADA QUE HABITA EM NÓS!

A deusa em mim saúda a deusa em você! 

Blessed Be! Namastê!

Certo, vamos falar sobre amor próprio, e autoestima, e empoderamento…

Já faz tempo que pensava em escrever sobre isso, pois nos meus atendimentos percebo muitos problemas relacionados a amor próprio e autoestima (a falta deles) e então criei um pacote de terapias só para isso. Mas esse é um assunto muito amplo, pois cada um tem uma ideia do que seja autoestima, são diferentes pontos de vista conforme a idade, a classe social, o gênero, a educação… E o pior de tudo é que hoje, com o advento e propagação das redes sociais, amor próprio virou outra coisa e muita gente (principalmente adolescentes e crianças) estão achando que amor próprio é essa coisa. Mas não é, na verdade, é ao contrário!

Por que resolvi falar sobre isso agora? Dia desses “rolou” uma espécie de “corrente” (não achei palavra melhor) sobre amor próprio em uma rede social, onde tínhamos que postar três fotos nossas provando que temos amor próprio e marcar outras mulheres para fazerem o mesmo. Eu, inclusive, fui indicada por uma pessoa muito querida, mas não o fiz, porque sinceramente, achei aquilo tudo uma idiotice! Mas Tai, você vive falando em empoderamento feminino, em autoestima, que as pessoas precisam se amar, faz palestra para mulheres e achou essa prática uma idiotice, como assim?

amorproprio4

Explico: minha gente querida, todos os dias, ou quase todos, postamos fotos nossas em redes sociais; fizemos isso o tempo todo e isso não significa que temos amor próprio, isso tem outro nome, se chama exibicionismo. E lembrando que nem todo exibido tem autoestima, na maioria das vezes é justamente a falta dela que o faz ser exibido. Exibir-se significa precisar da atenção, do olhar do outro e quando você precisa da atenção do outro é porque você está dando mais importância para a opinião alheia do que a sua própria, e isso não é amor próprio! Amar-se meus queridos, não é ficar se achando bonita, se achando linda, se achando gostosa, ou a mais inteligente, a mais rica, a mais capaz, a mais diplomada, a mais heroína.. amar-se não é ficar detalhando todas as nossas qualidades o tempo todo. Amar-se é ter apreço por si mesma, independentemente de ser linda ou não, de usar maquiagem ou não, de ser dona de casa ou empresária, de ser casada à cinquenta anos ou de ser solteira aos quarenta. Amar-se é conhecer-se profundamente a ponto de saber quais são os defeitos que precisam ser mudados, usando as qualidades possuídas, para assim evoluir e se tornar melhor amanhã do que somos hoje. Amar-se é não se privar do que gostamos só porque os outros não gostam. Amar-se é não ter crenças limitantes a respeito das próprias escolhas e das escolhas alheias. Amar-se é ser livre de rótulos. Amar-se é não se deixar aniquilar pela opressão do mundo da beleza, da mídia, do show business. Amar-se é não aceitar a submissão em um relacionamento tóxico e doentio. Amar-se é não se deixar ser usada por outra pessoa, por medo de perdê-la e ficar sozinha. Amar-se é não ter medo de ficar sozinha, pois quando se ama, a própria companhia é uma coisa boa e não uma solidão.

Hoje vi outra “brincadeira” numa rede social onde postaram: “Qual a inicial do nome do seu amor verdadeiro”? Fiquei com vontade de comentar assim: Querida, a inicial deve ser a do seu próprio nome, pois o amor mais verdadeiro que existe deve ser o seu próprio. Mas pensei bem e resolvi não comentar, vim exorcizar meus demônios julgadores aqui (kkkkkk).

Certo, agora um outro assunto que está proliferando mundo a fora, principalmente na internet e que também está sendo distorcido porque as pessoas estão confundindo as coisas. E esse assunto tem a ver com o anterior: empoderamento feminino. Existe um certo preconceito com a palavra feminismo, então criou-se o termo empoderamento feminino (ou sagrado feminino como chamamos na espiritualidade) para que as pessoas “aceitem” melhor. O fato é que a maioria não sabe o que é feminismo, por isso o preconceito. E estão distorcendo esses outros dois termos também, e está virando uma grande confusão. Empoderar uma mulher significa trazer de volta sua autoestima, seu amor próprio, roubado a anos pela opressão, pelo machismo, pelas religiões, pela publicidade do mercado de moda e beleza que inseriu um padrão inalcançável pela maioria das pobres mortais, entre outras coisas. Veja bem, isso não significa acabar com os homens, ou fazê-los se tornar submissos a nós, ou tirá-los de circulação! Isso é a bobagem mais sem pé nem cabeça que podem divulgar por aí. Feminismo hoje é querer que a mulher tenha os mesmos direitos, as mesmas escolhas e as mesmas chances que os homens, simples assim! É ter a opção de querer se mãe ou não, de querer usar maquiagem ou não, de querer casar ou não, de querer ser mecânica ou esteticista e receber salários compatíveis com a função. Os homens nunca perceberam, mas a sociedade inteira sempre impôs o que uma mulher pode ou não fazer, mesmo de forma “natural”. A culpa do machismo imperar não é só dos homens, a culpa da existência do machismo é de 50% para homens e 50% para mulheres, me desculpem, mas é sim!!! E hoje aquelas que despertaram para uma nova realidade estão tendo o papel de mostrar isso às outras e então emponderá-las. A mudança minha gente, vai favorecer mulheres e homens, pois vai nascer uma nova perspectiva, um novo tipo de relacionamento, baseado em amor apenas, não em fantasias, dependências, obrigações. Só pode amar de verdade quem se ama antes.

Essa mudança deve iniciar muito cedo, pois a redes sociais, com esse exibicionismo todo, com essa exposição toda, está criando novas crenças limitantes. E trocar uma crença limitante por outra não é cura, é trocar uma prisão por outra! Se você decide não usar mais maquiagem para mostrar que está empoderada, mas fica julgando as que usam maquiagem, você não se empoderou. Você trocou uma limitação por outra e continua presa a rótulos. Por exemplo, esses tempos li histórias parecidas, em revistas famosas, sobre meninas que receberam bullying de meninos que gostavam, uma porque foi chamada de feia e outra porque foi chamada de gorda, ao invés de se suicidar como muitas estão fazendo, elas “deram a volta por cima”, uma se tornou uma menina linda, a outra emagreceu não quantos quilos, e a moral dessas histórias era que elas haviam “se vingado” dos possíveis namoradinhos. Elas lutaram e venceram o bullying, usando-o para se tornar melhores!!!!!!!!!!!!! Hã?? Traduzindo: eu usei o seu preconceito para provar que você estava certo, eu era feia/gorda, mas agora não sou mais, pois eu venci, eu sou melhor. Oi????

Desculpa, mas não vi nenhum empoderamento aí. A primeira etapa para o empoderamento é o retorno da autoestima e amar-se, como eu disse, não é só quando sou linda e magra. Tenho que me amar independentemente do meu peso, do meu tipo de cabelo, das minhas sardas, da minha celulite, do formato do meu nariz, do tamanho do meu peito… Se por acaso eu quiser mudar algo em mim, deve ser porque EU QUIZ. Se eu preciso emagrecer porque o outro riu de mim, então continuo sem amor próprio.

Acredito que amar-se é rir dos próprios defeitos e achar que meu dedão torto é meu charme. Se um dia resolver mudá-lo com cirurgia é pura e simplesmente porque cansei de ver ele torto, não porque um homem chegou pra mim e disse: Querida, amo você, mas esse seu dedão, sei não; muda ele por favor! Prefiro olhar pra ele e dizer: Ok, então vou achar um homem que tenha um dedão torto como o meu e assim seremos felizes de verdade com nossos dedões! Tchau!

Querer ser melhor não é errado, claro que não. Mas essa escolha deve partir de nós, principalmente quando estamos falando de estética. Ser uma pessoa mentirosa, mau caráter, corrupta, manipuladora, assassina, isso sim são defeitos que devem ser incentivados pela sociedade a serem mudados, pois afeta ao próximo diretamente, causando mau a muitos. Mas aquilo que diz respeito a cada um de nós, não tem que ser imposto por ninguém. E isso sempre aconteceu com as mulheres, por isso estamos querendo que mude.

Hoje, assistindo a um programa na televisão, onde falaram rapidamente sobre feminismo e machismo, sobre romantismo mais especificamente, inclusive com a presença do grande Mário Sérgio Cortella, entrevistaram várias mulheres na rua e uma delas falou o seguinte (quase surtei!): Tem que ser um pouco romântica, porque se você é segura demais, se você é autossuficiente demais acaba espantando os homens!

Meu amor, se você é segura e autossuficiente demais e espanta homens, ótimo. Você está espantando homens que não são seguros o suficiente para estar com você!!! Homens de verdade, com sensibilidade, inteligência,  antenados, sabem como é a mulher de hoje, a mulher empoderada e portanto não saem correndo de medo. Muito pelo contrário, valorizam ainda mais e aceitam um relacionamento em que duas pessoas inteiras (e não mais as metades de antigamente) decidem compartilhar uma vida. Isso é romantismo!

No programa também entrevistaram homens que falaram que não sabem mais se dão flores ou não, se abrem a porta do carro ou não, se oferecem para pagar a conta ou não. Estão vendo a confusão que as pessoas estão fazendo? As mulheres empoderadas não querem o fim do romantismo, nem o fim de demonstrações de respeito e valor. Eu gosto quando um homem abre a porta do carro pra mim, acho charmoso. Também gosto de receber flores. Não me importo de dividir a conta, ou de ter que pagar, ou de ele pagar. Isso tudo não tem nada a ver com empoderamento. Existem mulheres que não gostam de flores, que não se importam se abrem a porta ou não, isso é uma questão de personalidade de cada um; piscianas vão amar você abrir a porta pra ela, escorpianas vão amar pagar o jantar para você, e leoninas vão cair de amore se receber um buquê de flores gigante na empresa em que ela trabalha. Essas questões devem ser analisadas em cada ser, você deve conhecer a mulher com quem está ficando, para saber do que ela gosta ou não! Empoderamento é dar-se o valor, apenas isso. Amar-se por inteira. É não aceitar ser submissa a ninguém, é não aceitar agressão de forma alguma, é ter liberdade de escolha, é ter um relacionamento saudável, uma sexualidade saudável, baseados em compartilhamento.

Espero ter ajudado, de alguma forma, com esse textão sobre assuntos diferentes, mas que na verdade se interligam. Convido a todos, homens e mulheres, para refletirem sobre amor próprio, autoestima, feminismo, machismo, romantismo, empoderamento. Mas refletirem de forma profunda, libertando-se de conceitos prontos, libertando-se da linguagem “interneteis” de hoje em dia, analisando passado e presente, para assim chegarem a suas próprias conclusões sobre isso e perceberem que toda mudança gera uma certa dor, toda mudança gera resistência, mas no fim percebe-se que a mudança é que faz a evolução de verdade. E principalmente, não esqueçam: todo o Universo é feito da UNIÃO de duas energias polares, chamadas Yin/Yang.

E só pra constar: sim, eu me amo, porque me conheço melhor do que ninguém; amo quem estou me tornando a cada dia, mesmo sabendo que ainda tenho muito a mudar; e não preciso provar isso para ninguém, porque simplesmente não me importo mais com o que pensam de mim; eu me importo comigo, com minhas escolhas, com minha sanidade física, mental, energética e espiritual e procuro, através do meu conhecimento, ajudar outras pessoas a se conhecerem e se amarem. Esse é o objetivo máximo do meu trabalho como terapeuta holística e meu objetivo máximo como pessoa.

Blessed be! Namastê! Aho!

 

O meu 2016

12512366_10201511035293154_3533603717232304765_n

Se eu pudesse resumir o meu 2016 em uma frase, seria:

Ninguém se torna iluminado por imaginar figuras de luz, mas sim por tornar consciente a escuridão. (C.G. Jung)

Não quero dizer que me tornei iluminada, ainda não! (Risos) Mas tornei consciente minha escuridão e dessa forma creio ter dado um bom salto na minha evolução como humana e como espírito. E foi forte! Ainda sinto os respingos da turbulência emocional pela qual passei. Foram 36 anos de lixos emocionais acumulados que vieram à tona de uma hora para outra, causando um pequeno transtorno mental/emocional/energético. Por momentos achei que ia enlouquecer pra valer, mas a certeza de que tudo nessa vida tem um motivo e nada é por acaso, me fez ver a situação de um outro prisma e me encarar de frente.

Claro que não passei por tudo sozinha, tive ajuda de pessoas queridas, apoio de amigos que com simples palavras conseguiam me acalmar e mostrar a luz no fim do túnel. E o mais interessante foi que fui usando em mim tudo o que estou aprendendo desde o ano passado, como se fosse uma prova sabe, um teste, para ver se eu estava aprendendo tudo direitinho (risos). Ou seja, tratei (na verdade estou tratando) Síndrome do Pânico e Agorafobia com: florais, meditação, Códigos Grabovói e Reiki; além de algumas sessões de Barras de Access com minha terapeuta/amiga/mestra super/mega/hiper maravilhosa.

Nos “dias escuros” (é como eu chamo o mês em que a coisa foi mais feia) aprendi muito sobre mim. Me autoanalisei profundamente e descobri coisas que não conhecia, relembrei coisas que tinha esquecido e me libertei de coisas que carregava sem necessidade. Durante os últimos três anos venho estudando muitas coisas voltadas para a espiritualidade, para o autoconhecimento e sobre energia. O que está sendo imprescindível para minha cura e equilíbrio. Agora, se alguém chega para mim e diz que as coisas com as quais eu trabalho não funcionam, eu posso afirmar com todas as letras: FUNCIONA SIM. Mas não é fácil, é preciso uma entrega e uma dedicação profundas, pois não é como a cura proporcionada pela medicina tradicional, em que você toma um medicamento que mascara o sofrimento e a dor logo em seguida, sem que você aprenda o porque daquilo estar ocorrendo. Não é como tomar um remédio para dor de cabeça e plim, sumiu. Não, é preciso ir fundo na questão, colocar tudo para fora, analisar e começar a apagar aquilo tudo, coisinha por coisinha. E leva tempo minha gente, não é do dia para a noite. E tem que fazer tudo certinho dia após dia. Sabe aquele famoso ditado “matar um leão por dia”? Aqui cabe perfeitamente, pois sendo o leão a representação das emoções negativas, é exatamente isso que temos que fazer, matá-lo todos os dias, pois do nada aquela emoção à flor da pele volta e você tem que vencê-la, superá-la, não deixar ela te atacar e te dominar.

2016 foi um ano intenso, em todos os sentidos, mas certamente o ano de maior aprendizado, pelo menos para mim. Portanto, ao contrário do que muitos podem estar dizendo e eu até compreendo seus motivos, eu posso dizer: Gratidão Universo por tudo que me ensinaste este ano! Por me permitir o autoconhecimento e o início de minha autocura completa!

Daqui pra frente, um novo ciclo de fato se inicia, pois deixamos a era regida pelo Sol e passamos a ser regidos por Saturno. Para mim mais ainda, pois vou pegar tudo o que aprendi e começar a mudança, potencializada pelo planeta que rege meu signo! Saturno não é fácil, eu sei bem!!! É denso, lento, exigente. Mas é o planeta dos construtores, do trabalho árduo, da sabedoria. Pode ser considerado o ancião que tudo sabe, tudo passou e transforma tudo em experiência e aprendizado.

Que venha 2017, sem expectativas, sem promessas, apenas desejo que mundialmente ele seja mais leve que esse que está acabando e para mim que seja de mais descobertas, mais cura, mais aprendizado e que eu possa continuar compartilhando o que aprendo e descubro, para assim auxiliar outras pessoas que estão passando pelas mesmas questões, afinal só quem passou por uma experiência é que pode ajudar; o conhecimento só tem utilidade se compartilhado e transformado em algo benéfico para alguém.

Que através de meu trabalho eu possa ajudar outras pessoas a se autodescobrirem e se autocurarem. Que meus estudos e minhas experiências sirvam para ajudar quem precisa. Que eu possa, através do que sei, despertar mais pessoas, empoderar mais pessoas e mostrar que o caminho da evolução está dentro de nós. Tudo está dentro de nós.

Para finalizar, sobre 2016, é como já disse o rei:

Se chorei ou se sorri, o importante é que emoções eu vivi!

Tchau 2016!!!

Vem 2017, te espero de braços, mente e peito aberto!!!

UM 2017 REPLETO DE CURA, AMOR PRÓPRIO E DESPERTAR PARA TODO MUNDO!

Blessed be! Namastê!