Céu e Inferno

De todas as armadilhas do ego, talvez a mais difícil de controlar seja o julgamento. Julgar e se irritar com pessoas próximas, com quem convivemos diariamente é de fato muito fácil e fizemos isso todos os dias, sem perceber. Quando começamos a nos tornar conscientes de nosso Eu Interior e buscar a paz de espírito, percebemos rapidamente quando caímos numa das armadilhas do ego, mas o julgamento está tão arraigado em nossa personalidade que é quase natural.

Mas não é. Nem deve ser. Precisamos nos livrar disso, porque perder o controle e se irritar com quem amamos é mais doloroso do que pensamos e cria um lixo emocional chamado culpa, que é um dos mais difíceis de se livrar. Se é impossível não se irritar com alguém, então o afastamento é inevitável, mas antes de tomar essa atitude drástica há de se procurar outras alternativas, como tentar entender porque determinada pessoa é do jeito que é. O que essa pessoa passou na vida para ser como é? O que motivou sua(s) atitude(s) repetitiva(s) e irritante(s)?

Sim, é difícil pensar assim no calor da emoção, e tentar fazer a pessoa perceber que é irritante é pior ainda. Uma conversa franca, num momento de calmaria talvez comece a ajudar; o mais correto, segundo ensinamentos orientais é resolver a questão dentro de nós mesmo, tentar entender por que a pessoa nos irrita com seu defeito, será que talvez não seja nossa culpa, ou ela é apenas um espelho do que somos? Será que essa pessoa não está fazendo o papel de nossa “voz da consciência”? Ou apenas gostaríamos que a pessoa fosse diferente, mas chegamos a conclusão que não vai ser e temos medo de admitir?

Seja o que for, ficar dando murro em ponta de faca nunca dá certo, a gente se machuca e não resolve nada. É difícil dar o braço a torcer, mas ficar em silêncio e se afastar no momento da irritação ainda é a melhor saída. Enfiar a cabeça numa panela e gritar, contar até 10, ou até 1000 também funciona, às vezes… ou simplesmente dizer para a pessoa: Basta! Cansei! Desisto! Você conseguiu acabar com minha paz de espírito! A pessoa vai se achar vencedora num primeiro momento, mas com certeza vai ficar pensando, lá no fundo: Acho que exagerei. Da próxima vez, quem sabe, essa pessoa pense duas vezes antes de ficar irritando alguém. Ou não, nunca se sabe!

Featured image

Segue uma estória que li no blog da página CompraZen, que me inspirou (num desses momentos de precisar contar até mil) a escrever este post:

Conta uma história que um samurai estava repousando debaixo de uma árvore quando passou um monge budista. Ele não acreditava em nenhuma tradição espiritual. Era um homem duro e seco. Quantas vezes desembainhara sua espada? Quantos corpos havia mutilado? Quantos por sua lâmina haviam morrido? Já perdera a conta. Ao ver o monge, chamou-o e o interpelou? “Essa história de céu e inferno que vocês, budistas, contam é pura mentira. Onde fica esse céu, essa terra pura? E onde está o inferno?”

O monge o escutou atentamente e, em seguida, respondeu: “Você é um samurai muito burro e lento. Sua espada não serve para coisa alguma”. Furioso, o samurai se levantou e começou a desembainhar a espada: “Como ousa falar assim comigo?”. O monge disse, sorrindo: “Isso é o inferno”. O samurai parou e, em vez de tirar a espada da bainha, colocou-a mais para dentro. “Isso é o céu”, disse o monge. E continuou sua caminhada.

Blessed be! Namastê!

Imagem: Reprodução

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s