Sobre o livro Ciência X Espiritualidade

Você já imaginou debater assuntos sérios com alguém, de maneira amigável, respeitando a opinião alheia e ainda assim continuarem amigos?

Parece uma coisa simples, mas a gente sabe que não é. Quando resolvemos conversar sobre religião, Deus, criação, fé, se temos opiniões muito distintas, a conversa sempre esquenta e sempre fica uma pontinha de raiva quando não conseguimos convencer o outro a mudar sua opinião. Todo mundo faz isso: tenta mudar a opinião alheia com relação a esses assuntos. Até aí tudo bem, mas vendo as redes sociais ultimamente, percebemos que essa vontade de mudar a opinião do outro ou a ânsia em criticar a opinião alheia está causando muitos problemas e talvez até alimentando ódios e incitando violências (devemos lembrar que violência não é só a física).

ciência-espritualidade

Agora imagine que, além de conversar amigavelmente com alguém sobre assuntos sérios, cada um defendendo sua opinião, vocês decidem colocar essa discussão num livro? Sim, escrever a quatro mãos um livro, mas entre duas pessoas com opiniões extremamente opostas!

física-fé

Pois assim foi concebido o livro “Ciência X Espiritualidade: dois pensadores, duas visões de mundo”. Os autores são Deepak Chopra, espiritualista, formado em medicina na Índia, divulgador mundial da filosofia oriental, autor de mais de quarenta títulos e Leonard Mlodinow, professor de física, dedicado a divulgar a ciência em livros e artigos, ateu. O livro é simplesmente sensacional! Ainda estou no início, mas já percebi que o debate é caloroso e o mais interessante: o livro não tem a finalidade de te convencer a nada, não tem conclusão sobre os temas que propõe, é apenas a exposição das teorias e estudos de cada um dos autores, de cada área de atuação deles, mostrando que a verdade sempre tem dois lados, e cabe a cada um de nós escolher a que melhor nos representa. Veja alguns parágrafos do primeiro capítulo A Guerra – Perspectivas:

Primeiro com Deepak Chopra

Precisamos voltar à fonte da religião. Essa fonte não é Deus, é a consciência. (…)

A ciência jamais atingiu uma objetividade pura, nem jamais atingirá. Pois negar o valor da experiência subjetiva é descartar boa parte do que faz a vida valer a pena: amor, confiança, fé, beleza, espanto, maravilha, compaixão, verdade, arte, moralidade e a própria mente. (…)

O fato de a religião não ter dado certo não significa que uma nova espiritualidade, baseada na consciência, também não vai dar certo.

Agora a visão de Leonard Mlodinow

Deepak acha que as explicações científicas são estéreis e reducionistas, que elas resumem a humanidade a uma simples coleções de átomos não muito diferentes de qualquer outro objeto no Universo. Mas o conhecimento científico não reduz nossa humanidade, assim como saber que nosso país é um entre muitos não reduz a avaliação que fazemos de nossa cultura nativa. Na verdade o contrário está mais próximo da verdade. (…)

Só os homens podem se envolver nos maravilhosos processos da razão e do pensamento chamados de ciência; só eles podem entender a si mesmos ou como o planeta chegou até aqui; só os seres humanos teriam como descobrir que somos formados por átomos. (…)

A promoção do bem e a inibição do mal fazem parte do papel das religiões organizadas. E foram essas empreitadas – e não a ciência – que em geral deixaram de cumprir o que prometeram.

Deu pra sentir o tamanho da fogueira? E eles colocam lenha em mais de trezentas páginas, debatendo assuntos como: como surgiu o Universo; o que é a vida; se Deus é ou não uma ilusão… e por aí vai. Eu estou fascinada e recomendo, pois se você defende um dos lados, vai sair mais convencido ainda do seu ponto de vista, mas também vai passar a respeitar o outro lado da moeda. E se você está em cima do muro, vai acabar pendendo para algum lado, com certeza! 😀

Boa leitura!

Namastê! Blessed be!

CHOPRA, Deepak & MLODINOW, Leonard. Ciência X Espiritualidade. Ed. Sextante. 2011
Anúncios

Reflexões sobre relacionamento amoroso

Olá Ciclamenses, sei que estou ausente ultimamente, mas é que os estudos e o trabalho estão tomando conta de minha vida e sobra pouco tempo para escrever. Mas sempre que conseguir, virei compartilhar com você.

Dicas-para-relacionamento-amoroso-l

E hoje resolvi escrever sobre o que ocorreu nesta última quarta-feira. Temos aqui no espaço onde atendo, mensalmente, um evento chamado Conversas do Bem (acho que já falei dele aqui) e neste mês o tema foi Relacionamentos Amorosos. Não foi o número de pessoas que eu achei que iria, porque muitas pessoas se mostraram interessadas, mas como choveu muito no dia e chuva sempre espanta algumas pessoas, o número foi menor do que o esperado, mas quem foi estava ávido pelo debate!

Outra surpresa: achei que cada um que fosse, iria defender seu ponto de vista sobre o assunto, dizer o que acha, mas no final o que ocorreu foi uma troca de experiências, onde cada um acabou contando sua(s) história(s) de relacionamentos. E sabe que foi mais interessante do que se cada um tivesse defendido seu entendimento sobre o assunto! Ouvir as histórias de vida das pessoas nos faz perceber que existem todo o tipo de relacionamento, todo tipo de problema, várias soluções, várias “receitas”… esse assunto não se esgota em um único evento claro, mas o mais importante, pelo menos é o que pensei depois que acabou, é que todos chegaram lá com dúvidas, achando que pudessem sair de lá com uma resposta para sua vida amorosa e no fim, talvez tenham saído com mais dúvidas ainda, mas saíram com as perguntas certas e com a certeza de que todas as respostas estão dentro de nós e não fora. Porque cada um tem uma história diferente, não existe receita de bolo para relacionamento amoroso; existem coisas que dão certo, coisas que dão errado, mas tudo depende da personalidade de cada uma das partes envolvidas no relacionamento. E tem ainda a personalidade de casal, que é uma coisa que se forma depois de bastante tempo juntos: forma-se uma personalidade do relacionamento, que muitas vezes se sobrepõe à personalidade de cada um.

Alguns fatores foram unânimes, quando a questão é o que é Amor:

  • respeito: se não há respeito mútuo, não é amor;
  • companheirismo: somar, unir, diferente de dividir;
  • amor próprio: as pessoas já perceberam que não se ama alguém quando não se tem capacidade de amar-se primeiro.

Todos sabemos que nos dias de hoje, com o advento das redes sociais, os relacionamentos estão cada vez mais descartáveis, mais banais; tudo é banalizado: amor, ódio, sexo, amizade, conversa, inimizade… então precisamos buscar um equilíbrio interno muito profundo e lutar por ele todos os dias, para não se deixar afetar por essa banalização, caso contrário não existe amor que aguente. Não se identificar com tudo o que lê, vê, ouve é muito importante para manter um relacionamento duradouro e principalmente: cumplicidade e sintonia. Esses talvez sejam os únicos ingredientes que todos os bolos de amor devem ter, independentemente de idade, opção sexual, tipo de relação.

E lembre-se: ame-se; quando você se ama e se respeita, você acaba atraindo pessoas que amam e respeitam.

Bom fim de semana!

Blessed be! Namastê!

Diário Vermelho – só para mulheres

Este trabalho foi idealizado, criado e produzido por mim no final de ano passado. Baseado em minhas experiências com diários de ciclos, recolhi informações pertinentes ao universo feminino para criar o Diário Vermelho, que é um diário de ciclos. Nele você encontra tudo o que precisa para monitorar-se, e de tempos em tempos, poderá fazer um balanço de suas anotações – humor, emoções, energia, mudanças – percebendo coisas incríveis a seu respeito… é realmente fascinante quando temos em mãos uma ferramenta como essa, que nos proporciona um autoconhecimento completo. No final do ano, ao ler seu diário anual, você tem a impressão de estar lendo uma pequena autobiografia e começa a perceber coisas que não notava antes.
 
Para saber mais sobre ele e como adquirir, clique na imagem, uma apresentação bem explicativa iniciará:
capa
Blessed be! Namastê!